Boletim Hidrometeorológico Integrado aponta agravamento da estiagem

O Governo do Estado, através da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) e a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Sustentável (SDE), divulgou mais uma edição do Boletim Hidrometeorológico Integrado que aponta o retorno das condições de estiagem. Com base nos dados colhidos, no último mês, o documento revela que o quadro pode influenciar o abastecimento em grande parte dos municípios do Estado. As condições observadas refletem a ausência de chuva, com impactos maiores nas regiões Oeste, Meio Oeste e Planaltos Norte e Sul.

Durante o mês de julho os acumulados foram baixos em todas as regiões, sendo o destaque para as áreas do Litoral Norte e do Planalto Sul ao Extremo Oeste, onde variaram de 40 a 60 milímetros (mm). Já nas demais áreas a precipitação acumulada foi ainda menor, com registros abaixo dos 20 mm na Grande Florianópolis, Litoral Sul e Alto Vale do Itajaí.

No mesmo período a escassez da chuva provocou anomalias negativas para todas as regiões catarinenses. Podemos destacar o Litoral Sul e Alto Vale do Itajaí, com valores pontualmente 100 mm abaixo da média esperada para o mês. No litoral, planaltos e até o Extremo Oeste, os valores ficaram em torno de 60 a 80 mm abaixo da média. É importante ressaltar que praticamente não choveu no mês de julho em todo o Estado. No Litoral Norte, por exemplo, a ausência de precipitação variou de 24 a 26 dias, enquanto que na maior parte de Santa Catarina foram até 28 dias sem chuva.

A publicação, que traz as condições hidrológicas dos rios e os possíveis impactos no abastecimento urbano, aponta que 34% dos municípios catarinenses estão em estado de atenção, 1% em alerta e 1% em estado crítico. Segundo o chefe da DCSC, David Busarello, a situação reforça a necessidade de monitoramento constante e a adoção de medidas eficientes de economia e de gestão da água nos municípios. “Continuamos dando apoio técnico e suporte as cidades que decretaram situação de emergência, em função da Estiagem. Realizamos o repasse de reservatórios, kits de transporte de água limpa e água potável”, comentou. Busarello reforça que a situação apenas poderá ser totalmente controlada com a adoção, por parte dos municípios, de medidas mitigatórias de médio e longo prazo. “A preservação de nascentes e a ampliação de reservatórios nas comunidades impactadas são bons exemplos de ações que podem ser desenvolvidas”, finalizou.

Confira o Boletim Integrado na íntegra:

Municípios que decretaram situação de emergência

  • Abdon Batista
  • Agrolândia
  • Água Doce
  • Águas de Chapecó
  • Águas Frias
  • Alto Bela Vista
  • Anchieta
  • Arabutã
  • Arroio Trinta
  • Arvoredo
  • Barra Bonita
  • Bom Jesus do Oeste
  • Caibi
  • Campo Erê
  • Campos Novos
  • Capinzal
  • Caxambú do Sul
  • Celso Ramos
  • Chapecó
  • Concórdia
  • Cordilheira Alta
  • Coronel Freitas
  • Coronel Martins
  • Cunhataí
  • Entre Rios
  • Faxinal dos Guedes
  • Formosa do Sul
  • Galvão
  • Guaraciaba
  • Ipira
  • Iporã do Oeste
  • Ipuaçu
  • Ipumirim
  • Iraceminha
  • Irani
  • Irati
  • Itá
  • Jaborá
  • Jardinópolis
  • Jupiá
  • Lajeado Grande
  • Lindóia do Sul
  • Major Vieira
  • Maravilha
  • Marema
  • Modelo
  • Mondaí
  • Nova Erechim
  • Nova Itaberaba
  • Novo Horizonte
  • Ouro
  • PaialPalma Sola
  • Palmitos
  • Paraíso
  • Passos Maia
  • Peritiba
  • Piratuba
  • Planalto Alegre
  • Presidente Castello Branco
  • Princesa
  • Quilombo
  • Riqueza
  • Romelândia
  • Saltinho
  • Santa Terezinha do Progresso
  • Santiago do Sul
  • São Bernardino
  • São Carlos
  • São Domingos
  • São João do Oeste
  • São José do Cedro
  • São Lourenço do Oeste
  • São Miguel da Boa Vista
  • Saudades
  • Seara
  • Serra Alta
  • Sul Brasil
  • Tigrinhos
  • Timbó Grande
  • União do Oeste
  • Vargeão
  • Vargem
  • Xanxere
  • Xavantina
  • Xaxim
  • Zortéa